Preço do aluguel cai pelo quinto mês consecutivo em outubro

17/11/2017

São Paulo – O preço dos imóveis para alugar caiu pelo quinto mês consecutivo em outubro. O valor médio de locação recuou 0,28% no mês, segundo o Índice FipeZap de Locação, que acompanha a variação nos valores de apartamentos anunciados em 15 cidades brasileiras.

Isso significa que o poder para negociar preço segue na mão de quem aluga. Desde o início do ano, o preço médio de locação caiu 0,64%. No entanto, a inflação acumulada em 2017, medida pelo IPCA,  foi de 2,21%. Ou seja, a queda real do Índice FipeZap de Locação no período foi de 2,79%.

A queda real é registrada quando o valor de um determinado bem tem uma alta inferior ao aumento generalizado dos preços, medido por índices inflacionários, como o IPCA. Vale destacar que a variação real não é obtida com uma simples subtração. Para realizar o cálculo, é preciso dividir a oscilação dos preços pela variação da inflação.

Nos últimos 12 meses até outubro, o aluguel residencial caiu 0,77% e a queda real foi de 3,38%.

Entre as cidades monitoradas, as maiores quedas nos preços nos últimos 12 meses foram no Rio de Janeiro (-8,59%) e Campinas (-4,30%). Já entre as regiões que registraram aumento de preço, se destacam Recife (+3,82%), Distrito Federal (+3,26%) e São Bernardo do Campo (+3,15%).

 

Veja o comportamento dos preços de aluguel nas 15 localidades pesquisadas pelo Índice FipeZap de Locação:

CidadeVariação do preço em outubroVariação do preço nos últimos 12 meses
Goiânia 1,22% Não disponível
Curitiba 0,97% 1,93%
Recife 0,43% 3,82%
São Bernardo 0,27% 3,15%
Salvador 0,08% 2,16%
Belo Horizonte -0,02% 2,87%
Porto Alegre -0,03% -1,12%
Fortaleza -0,11% Não disponível
São Paulo -0,21% 2,00%
Campinas -0,26% -4,30%
Santos -0,37% 1,83%
Distrito Federal -0,41% 3,26%
Florianópolis -0,45% Não disponível
Rio de Janeiro -1,06% -8,59%
Niteroi -1,12% Não disponível

 

O Índice FipeZap de Locação é desenvolvido em conjunto pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e pelo site de classificados Zap Imóveis, com base em anúncios da internet. A pesquisa não incorpora no cálculo a correção dos aluguéis em contratos vigentes, cujos preços são reajustados periodicamente.

› Compartilhe este Post

LEIA MAIS NOVIDADES

Crédito imobiliário deve crescer 15% em 2018 frente a 2017

11/12/2017

A estimativa de crescimento do crédito está calcada na perspectiva macroeconômica favorável para o próximo ano

saiba mais...
Ricardo Amorim: "Năo vai estourar bolha imobiliária no Brasil"

13/11/2014

Com preços de imóveis nas alturas, lançamentos parados e um certo freio no setor, há quem defenda que o Brasil está prestes a enfrentar o estouro de uma bolha imobiliária. Năo é, no entanto, o que pensa o economista Ricardo Amorim. Durante palestra realizada no HSM Management, evento de gestăo realizado hoje (03/11) em Săo Paulo, Amorim defendeu que, apesar do preço dos imóveis estar alto, o setor năo vive uma crise, pelo menos năo do ponto de vista de quem quer comprar um imóvel. "Eu estudei 509 cidades, sendo 12 brasileiras, de 123 países. O Brasil é só o 48ş mais caro, quando se considera o preço em relaçăo ŕ capacidade de pagamento da populaçăo. Os imóveis aqui estăo mais baratos que a média dos países emergentes. Em Cuba e El Salvador, o preço é de duas a quatro vezes maior", afirmou. Na Nova Guiné, cinco vezes.

saiba mais...
Trabalhador dará entrada maior em financiamento com recurso do FGTS

18/06/2014

O trabalhador que comprar a casa própria com recursos do FGTS terá de dar uma entrada maior na hora de fechar o financiamento a partir de junho de 2014. Começou a valer, no dia 2, a regra que eleva o pagamento inicial do mutuário de 5% para 20% do valor do imóvel dentro da linha Carta de Crédito FGTS. A entrada cai para 10% quando for utilizado o sistema de amortizaçăo SAC, no qual a prestaçăo cai ao longo do tempo.

saiba mais...

» VIVER IMÓVEIS
Av. Pedro Adams Filho, 5712 - loja 07
Novo Hamburgo - RS
Fone:(51) 3593-4499